Município de Espigão do Oeste alerta quanto ao possível surto de chikungunya e alerta população quanto aos cuidados

0
412

 

As ações de combate ao Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya estão sendo intensificadas pelo Setor de Endemias do município de Espigão do Oeste-RO, que alerta a população quanto aos cuidados que a população deve ter, participando desse trabalho preventivo, no intuito de desenvolverem medidas preventivas de combate ao vetor das doenças. Também convida cada família espigãoense a  ficar atenta e redobrar os cuidados visando eliminar possíveis criadouros do mosquito.

Atualmente, os principais focos do mosquito, em Espigão do Oeste, estão concentrados nos bairros Caixa d’Água, Cidade Alta e São José. Diante do alto índice de focos do mosquito, o município está em estado de alerta, suscetível a um surto de doenças transmitidas pelo Aedes aegypti, principalmente a chikungunya por ainda não ter circulado seu vírus no município, por se tratar de período de festividades,  o município recebe visitas de  pessoas oriundas de outras regiões, que possam ter entrado em contato com o vírus da doença e serem picados pelo mosquito e transmitir a nossa população. Como nossos munícipes não teve contato com o transmissor, o organismo não desenvolveu imunidade de resistência ao vírus, ficando a vulnerável a doença.

Segundo Adriana do Vale, chefe do setor de endemias, a situação pode ser controlada e até mesmo evitada com a destinação correta do lixo doméstico e com o monitoramento dos recipientes que podem acumular água. Basta cada um dedicar um pouco de seu tempo e vistoriar seus quintais e terrenos.

Nesse período chuvoso, e como de costume, as famílias costumam viajar no fim de ano, é preciso realizar um pente fino nas propriedades antes de saírem, observando para não deixarem vasilhames, que acumulam água, tampar bem fossas e caixas da água.

O combate à doença é de toda a sociedade, o próprio Ministério da Saúde está convocando a população brasileira a continuar, de forma permanente, com a mobilização nacional pelo combate ao mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya, doenças que infelizmente podem contribuir com o desenvolvimento de outras enfermidades, como microcefalia, por exemplo, que incide na formação dos bebês, gerando quadros irreversíveis de desenvolvimento. “Por isso, precisamos que a população e os intensifique suas ações de combate ao Aedes aegypti, reforçando o trabalho do poder público.

Fonte
Texto: Edson S. Ullig
Foto: Edson S. Ullig
Decom – Espigão do Oeste

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui