29.4 C
Espigão d\'Oeste, RO
quinta-feira, novembro 23, 2017

A cidade

HISTÓRICO
HISTÓRICO

Em 1956, na cidade de Andradina/SP, durante uma reunião familiar na casa do Sr. João Guerino – Melhorança, os irmãos José Cândido, Nilo Tranqüilo e Romeu Melhorança, ouviram no rádio uma nota do governo, que convidava os brasileiros para a integração da Bacia Amazônica.
Desbravadores que eram, os Melhorança decidiram logo empreender uma viagem para o Acre e assim, depois de uma longa viagem de muitos sacrifícios, chegaram a Pimenta Bueno. No dia 13 de abril do mesmo ano, quando estavam às margens do Rio Barão de Melgaço, tiveram um encontro histórico com o Sr. Raimundo Euclides Barbosa, que sabedor de suas intenções, convidou-os para que aqui ficassem, mudando então, o rumo de suas vidas.
Assim decididos, retornaram à Andradina, onde organizaram uma firma colonizadora a qual recebeu o nome de “ITAPORANGA” (Ita = Pedra, Poranga = Dura). Em fevereiro de 1967, deram início à tão sonhada  colonização.
Partindo de Pimenta Bueno, deixaram a BR-29 e iniciaram um caminho de 28 Km e, apesar das dificuldades, chegaram ao alto de uma colina, a qual foi chamada de Espigão. Surgiu então em seguida um núcleo, civilizado, com a construção de pequenas casas cobertas de palha e paredes de coqueiro para os colonos que recebiam lotes na vila para morar e áreas demarcadas no setor rural.
No ano de 1969, Espigão já era uma Vila e em 12 de agosto de 1970, numa cerimônia emocionante, foi plantado um cruzeiro pelo Pe. Vicente Vanin Martins e, junto ao cruzeiro, uma garrafa, tendo em seu interior um papel com os nomes das pessoas que participaram do evento. Na ocasião, por falta de vinho, não foi celebrada a missa que, mais tarde, aconteceu. No dia 07 de setembro do mesmo ano, sendo então, celebrada pelo Padre Adolfo Rool.
Mas as dificuldades dos colonizadores não pararam aí. Nos anos seguintes, especialmente em 1975, vários acontecimentos marcaram tragicamente o povo tão sofrido de Espigão do Oeste, que lutavam por um futuro melhor.
A colonizadora ltaporanga dividia os lotes em 2000 ha. e cobrava dos colonos apenas o trabalho de topografia, isto é, a demarcação dos mesmos; no entanto, o INCRA (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) só regularizaria as terras, se os lotes fossem reduzidos a 100 ha. e os colonos retirassem um interdito probatório que eles haviam impetrado contra o Instituto, como medida de garantia da posse das terras.
Porém, esta proposta foi acolhida com desagrado pelos colonos e houve revolta geral quando receberam a notícia de que funcionários do INCRA viriam para cortar as terras. Indignados, os colonos decidiram serrar a ponte sobre o “Igarapé Amola Faca”, para impedir a passagem dos tais funcionários, mas, nesse mesmo dia, 28 de abril de 1975, policiais armados invadiram a Vila de Espigão e, num ato de injustiça e crueldade, espancaram trabalhadores bons e honestos.
Várias pessoas, entre elas, os Melhoranças foram presos e somente depois de muita luta, conseguiram liberdade. Em compensação a tanto sofrimento, conseguiram, logo em seguida, os documentos das terras.
Com isso, encerrou-se a dolorosa etapa pela qual passou o povo de Espigão do Oeste e, daí em diante, essa terra coroada com a palavra progresso, sendo então nomeado como administrador, o Sr. José Sales.
Iniciou-se nova etapa de tórrida pujança e de futuro promissor, o que hoje permite a Espigão gritar de pé: “Presente”! na chamada da Nação.
A Administração de Espigão do Oeste começou em 1974, quando foi criado um Conselho Comunitário, tendo como presidente e responsável pela administração o Sr. José Sales até o ano de 1977, quando então transferiu essa responsabilidade para o Sr. Dilson Rodrigues Bello.
Em 03 de março de 1977 foi criado o subdistrito de Espigão do Oeste e em janeiro de 1978 foi estabelecido o núcleo administrativo, ficando assim oficializado como administrador, o Sr. Dílson Rodrigues Belo, que exerceu tal função até 1980, quando passou para o Sr. Félix José da Silva e, este, por sua vez, administrou até a sua emancipação.
Espigão do Oeste foi desmembrado do município de Pimenta Bueno quando passou a município, criado pela Lei n° 6.921, de 16 de junho de 1981. Foi instalado em 13 de novembro do mesmo ano, sendo nomeado para prefeito o Sr. Levino Dias Parrnegiani.

CULTURA E LAZER
CULTURA E LAZER

PONTOS TURÍSTICOS

Espigão do Oeste não possui nenhum ponto especificamente turístico, mas a beleza natural da região não deixa de ter um apreciativo turístico. Os bosques, Serra Azul, com suas matas verdejantes e as cascatas e quedas d’água que brotam de alguns rios, são uma beleza suntuosa e proporcionam uma visão magnífica aos admiradores.Praça Municipal, localizada no centro de Espigão do Oeste, atrai milhares de pessoas na época do natal e do reveillon, época em que a praça é decorada pela prefeitura da cidade. A praça é uma das mais bem decoradas de Rondônia.

FOLCLORE DO MUNICÍPIO

Folclore é o nome que damos ao conjunto de tradições populares, que se exprimem por meio de provérbios e festas típicas.A migração influencia sobremaneira no folclore da região, pois o povo preserva suas festas, tradições e crenças, predominando aqui o folclore gaúcho com suas danças.As festas tradicionais são as juninas, com a apresentação de quadrilhas e outras danças. Também as festas religiosas realizadas na Igreja Católica no mês de outubro, comemorando o dia da padroeira, culto e festa realizados pela igreja Luterana.

LAZER E ATIVIDADES SOCIAIS

Na área de lazer, Espigão do Oeste dispõe de um Clube Social, (Grêmio Recreativo e Esportivo) e Parque de Exposição. A parte de Esportes é beneficiada com o Estádio Municipal Luizinho Turatti e o Ginásio de Esporte  Edgar Zacarias Marques. Temos também a Praça Municipal Nilo Balbinot e o Anfiteatro em fase de inauguração.Para quem é adepto da pesca, também é favorecido pela preciosidade de nossos rios e atividades de pesque e pague.

HISTÓRICO POLÍTICO
HISTÓRICO POLÍTICO

PODERES DO MUNICIPIO No município existem 03 poderes:

  • Executivo: Representado pelo Prefeito Municipal;
  • Legislativo: Representado pela Câmara de Vereadores;
  • Judiciário: Representado pelo Juiz de Direito.

PODERES EXECUTIVO E LEGISLATIVO: GESTÃO DE 1982 A 2011PRIMEIRA GESTÃO Prefeita Lúcia Tereza Rodrigues dos Santos, Vice-Prefeito Erci Caetano de Souza; Presidente da Câmara  Martins João Mundel; Vice-Presidente Nilton Caetano de Souza; Secretário José Tiago dos Santos; VEREADORES: José Senhorinha, José Geraldo Neves, José Nepomuceno Alves, Iram Reblin, Janair Cassiallo Jackson, David Binow, Flávio Eustáquio de Oliveira, Guenter Saibel. Devido ao falecimento do vereador Janair Jackson e a eleição do vereador Nilton Caetano de Souza para Deputado Estadual, assumiram as vagas, os suplentes Rodolfo Krause e Gilberto Ruas Arruda.SEGUNDA GESTÃO Prefeito Nilton Caetano de Souza, Vice-Prefeito Juventino Pereira dos Santos; Presidente da Câmara Darci José Kischener, Vice-Presidente Carlos Batista da Costa, Secretário Inácio Perini; Vereadores: José Sampaio Leite, Carlos Roberto Reizer, Djair Ferrari, Elias Gonçalves, Erci Caetano de Souza, lzaura Boone Rodrigues, Mário Sibim.TERCEIRA GESTÃOPrefeito Reginaldo Pereira do Nascimento, Vice-Prefeito Valdemar lnácio da Silva; Presidente da Câmara Sérgio Balbinot, Vice-presidente Décio Barbosa Lagares; Secretário José Sampaio Leite; VEREADORES: Ivanir Minoru Ikeziri, Dermeval Severino Milke, Elias Gonçalves, José Aluízio Lara.QUARTA GESTÃOPrefeito Arlindo Dettmann, Vice-prefeito José Sampaio Leite; Presidente da Câmara Edson Messias do Vale, Vice-presidente Joveci Benevuto Souza; 1º Secretário Cícero Sampaio Leite e 2ª Secretária Marisane Lucila Turatti Cherubin; VEREADORES: Adelino Cataneo, Genésio Mateus, José Aluízio Lara, Pedro Candido Cesário e Sebastião Machado dos Santos.QUINTA GESTÃO: Prefeita Lúcia Tereza Rodrigues dos Santos, Vice-Prefeito Jose Aluízio Lara; Presidente Darci Jose Kischiner, Vice- Presidente (PPS), Senhor Valter Gonçalves Lara, Vice-Presidente (PPS); Vereadores  Célio Renato da Silveira  (PMDB), Marisane Lucila Turatti Cherubim  (PPB),  Cosmo de Novaes Ferreira (PDT)  Aildo José Nogueira Correia  (PPS),  Joadir Schultz  (PSDB),  Cícero Sampaio Leite  e (PSDB)  Antonio José Pereira do Nascimento – (PFL).SEXTA GESTÃO: Prefeita Lúcia Tereza Rodrigues dos Santos  e Vice-Prefeito Senhor José Sampaio Leite;  Presidente Senhor Valter Gonçalves Lara e Vice-Presidente Amilton Alves de Souza; Vereadores:  Joadir Schultz, José Nildo de Araújo José Aluízio Lara,  Antonio José Pereira do Nascimento, Genésio Mateus,   Severino Schultz  e Cícero Sampaio Leite,  substituído por Nelson da Silva Pereira.SETIMA GESTÃO: Prefeito Célio Renato da Silveira (PMDB) e Vice-prefeito João Bueno da Fonseca (PT); Presidente da CâmaraDécio Barbosa Lagares (PMDB), Vice-Presidente Genésio Mateus;Vereadores: Sebastião Justino Borges, Darci José Kischener, José Aluízio Lara, Joveci Bevenuto Souza, Cleane Rodrigues Ricardo, José Nildo Araújo e Ana Angélica Cidade da Silveira

ASPECTOS GEOGRÁFICOS
ASPECTOS GEOGRÁFICOS

Limites, Área e Localização do Município no Estado de Rondônia.O Município de Espigão do Oeste localiza-se a leste do Estado de Rondônia e limita-se:

  • Ao Norte: com o Estado do Mato Grosso;
  • Ao Sul: com o Município de Pimenta Bueno;
  • Ao Leste: com o Município de Vilhena;
  • A Oeste: com o Município de Cacoal.

Área: O Município possui uma área de 4.518 km²

  • Zona Rural 4.495,06 km²
  • Zona Urbana 22,94 km2

ClimaEquatorial, com pequena estação seca.A temperatura varia entre:

  1. Mínima absoluta: 17°C;
  2. Máxima absoluta: 42°C;
  3. Média das mínimas: Entre 23°C e 24°C
  4. Média das máximas: Entre 30°C e 33°C
  5. Temperatura média anual: Entre 26°C e 28°C

O clima é menos quente devido à influência do relevo que apresenta ondulações e morros. Do clima fazem parte: os ventos, as chuvas, a temperatura, isto é, frio ou calor. As chuvas aparecem mais nos meses de setembro, outubro, novembro, dezembro, janeiro, fevereiro, março e abril. Nos meses de maio, junho, julho e agosto, chove muito pouco. Isto ocorre porque as chuvas são controladas pelos ventos e pela temperatura. Nos meses de maio, junho, julho e agosto, os ventos passam a vir do sul, mudando de direção. Ventos secos e, às vezes, frio, tornando assim mais difícil de chover.Os ventos do sul podem trazer frio de lugares distantes, provocando a friagem (frio que chega repentino e que, em poucos dias, desaparece). A friagem é um fenômeno do clima nesta região.RelevoA área urbana do Município de Espigão do Oeste é composta de terras baixas e altas, isto é, ligeiramente onduladas, enquanto que a área rural apresenta ondulações mais acentuadas como morros e serras, sendo a Serra Azul o ponto mais alto, com 543 m, localizada a 70 km da sede do município.VegetaçãoEm Espigão do Oeste, no inicio da colonização, predominava a Floresta Equatorial (ou Amazônica) e uma pequena parte de cerrado. Com o incentivo do Governo Federal para que as terras fossem colonizadas, os emigrantes desmataram e transformaram as florestas em pastagem, restando pequenas reservas de Floresta, sendo esta composta de grande quantidade de árvores dos mais variados tamanhos, entrelaçados de cipós e plantas menores. Existem três tipos de florestas:1 – Mata de Igapó:As plantas nascem e vivem dentro da água;2 – Mata da Várzea:Alagada durante as enchentes;3 – Mata de Terra Firme:Esta nunca fica alagada e apresenta as maiores árvores.Uma pequena parte do município é formada por cerrados, que são árvores baixas, com galhos retorcidos, folhas grandes, troncos tortos recobertos de cascas grossas. Crescem vegetações baixas e outras rasteiras como gramíneas e capins. Essas pequenas árvores, por nascerem em região mais ou menos seca, apresentam raízes que chegam a atingir 20m, à procura de água.O soloO solo de Espigão do Oeste é constituído, a maior parte, por texturas leves. É arenoso e argiloso.HidrografiaO Município de Espigão do Oeste possui vários rios, sendo os mais importantes: Roosevelt, 14 de Abril, Ribeirão Grande, Riozinho, Palmeiras e Kernit. Apresenta também muitos Igarapés, sendo o mais importante o Igarapé Félix Fleury.Os rios 14 de Abril e Ribeirão Grande nascem no município e deságuam no Estado do Mato Grosso.O rio Riozinho nasce no município e deságua no município de Cacoal, sendo que antes de desaguar, ele recebe as águas do rio Palmeiras que também nasce no município de Espigão do Oeste e abastece a cidade. Rio Roosevelt, que tem sua nascente em outro município, banha uma grande parte do município de Espigão do Oeste e deságua no Estado do Mato Grosso. O Rio Kernit é afluente do Rio Roosevelt, tendo sua nascente também neste município.O Igarapé Félix Fleury é o mais importante.FaunaA fauna é composta de:Animais mamíferos, aves, répteis, peixes e insetos.Os animais desempenham importante papel no desenvolvimento e conservação da natureza:

  • Destruição de pragas;
  • Polinização das plantas;
  • Difusão de sementes;
  • Aceleração da decomposição de materiais vegetais e animais.

Dentre os mamíferos destacam-se: onças, macacos, cutias, pacas, antas, veados, tamanduás, porcos-do-mato, tatus, preás e outros.As aves: gaviões, araras, periquitos, papagaios, urubus, beija-flores, jacus, mutuns, saíras, tiés, rolas e outros.Os répteis: cobras, jacarés, tartarugas, rãs, sapos, lagartos, calangos e outros.Os peixes: lambari, pacu, piranha, dourado, pirarara, pintado, cascudo, bagre, traíra e outros.Os insetos: formigas, cupins, gafanhotos, aranhas, borboletas, abelhas, besouros e outros.FloraDentre as árvores que compõem a flora do município de Espigão do Oeste, destacamos a castanheira, o mogno a cerejeira, a seringueira, o cacau, o jenipapo, o jatobá, o buriti, jequitibá, cedro, angelim, pequi, copaúba e outras.